AUTOATENDIMENTO

quinta-feira, 10 de novembro de 2022

PASSO A PASSO NO PHARMA CONNECTION, clique aqui

Clique para abrir, escreva oi ou use palavras chaves: tais como: férias, hora, receita, xml, carimbo, antibióticos.



AQUI VOCÊ ENCONTRA TODO O PASSO A PASSO,   NA SEGUINTE ORDEM NÚMERICA:



1 - CLIQUE AQUI   PARA  O  COMO ENVIAR O XML PARA ANVISA (com vídeo);

20  - CARIMBO REDUTOR PARA MEDICAMENTOS DA PORTARIA 344/98


21 - PROCEDIMENTO ANVISA PARA FARMACÊUTICOS COM MUDANÇA DE NÚMERO DE SEU CRF





USE A BARRA DE ROLAGEM PARA IR ATÉ O FINAL;  use o botão  Postagens mais antigas no final da página para outros assuntos, tais como modelos de  carimbos e etc.



SOFT'S DE ANTIMICROBIANOS  PODERÃO SER OPERACIONALIZADOS POR FUNCIONÁRIOS TREINADOS PELO FARMACÊUTICO

De acordo com a Lei 3.820/60, todas as atividades do farmacêutico, no Brasil, são regulamentadas pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF). Reunido, nessa quinta-feira (25), em Brasília, o Plenário do CFF, na defesa da assistência farmacêutica - principal atividade do farmacêutico, em farmácias e drogarias - votou pela alteração do Artigo 1º, da Resolução nº 542/2011* e determinou que:

O FARMACÊUTICO PODERÁ ATRIBUIR A ESCRITURAÇÃO DAS RECEITAS DE ANTIMICROBIANOS A FUNCIONÁRIO POR ELE TREINADO E SOB SUA ESTRITA SUPERVISÃO. PORÉM, A CONFERÊNCIA E A TRANSMISSÃO DOS DADOS É ATIVIDADE INDELEGÁVEL DO FARMACÊUTICO.
*A alteração será publicada, em breve, no Diário Oficial da União (DOU)



Walter da Silva Jorge João
Presidente do CFF

Contudo, a dispensação das receitas permanece atividade exclusiva do farmacêutico. 

Resolução RDC nº 22, de 29 de abril de 2014, ANVISA


Art. 18. O sistema informatizado do estabelecimento, que gera os arquivos XML para envio ao SNGPC, deve ter acesso restrito ao farmacêutico responsável técnico ou seu substituto legal devidamente cadastrado e associado no SNGPC.

§ 1º O farmacêutico responsável técnico pode delegar a terceiros, sob sua responsabilidade, o acesso parcial ao sistema informatizado para fins de inserção dos dados.

§ 2º É função do farmacêutico responsável técnico a geração e envio dos arquivos XML ao SNGPC.










segunda-feira, 31 de outubro de 2022

sexta-feira, 28 de outubro de 2022

terça-feira, 25 de outubro de 2022

quarta-feira, 19 de outubro de 2022

Anvisa afirma resolver atrasos de AFE na próxima semana

Vigilância Sanitária de Rio Branco volta a fiscalizar entregua de balanços da portaria 344/98 
     De acordo com a assessoria de imprensa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA),  a média de tempo de análise das concessões de farmácias em 2022 é de 27 dias. 


    Conforme definido na Resolução de Diretoria Colegiada - RDC nº 16/2014, o prazo para manifestação da Anvisa é de 30 dias, que é contado a partir da data de entrada das petições, até a primeira manifestação da Agência (exigência, ofício ou publicação). 

     Historicamente, há um aumento da entrada de petições no 3º trimestre de cada ano, de modo que alguns casos pontuais podem vir a ultrapassar o tempo previsto. No entanto, medidas foram adotadas pela Anvisa, de modo que todas as petições nessa situação estão em vias de conclusão e publicação em Diário Oficial da União (DOU) até a próxima semana. 






Edmilson Alves é especialista em Vigilância Sanitária e Gestor em Assistência Farmacêutica. edmilson@edmilsonacre.com

sexta-feira, 14 de outubro de 2022

domingo, 2 de outubro de 2022

ACOMPANHE TUDO SOBRE AS ELEIÇÕES DO ACRE 2022




CLIQUE NO LINK, E ACESSE 



https://www.youtube.com/user/EdmilsonAlvesAcre/videos




Edmilson Alves é especialista em Vigilância Sanitária e Gestor em Assistência Farmacêutica. edmilson@edmilsonacre.com

terça-feira, 20 de setembro de 2022

Participação de Pedro Longo na regularização de terras urbanas em Sena Madureira


VEJA O BATE PAPO COMPLETO:

https://www.youtube.com/watch?v=fZ0WPOtqntc&t=1258s

quarta-feira, 31 de agosto de 2022

Perpétua divulga apoio ao setor farmacêutico

A deputada federal pelo o Acre, Perpétua Almeida (PC do B), usa seu espaço de campanha para divulgar a defesa das farmácias, drogarias e os farmacêuticos da tentantiva de liberar medicamentos nos botecos, bodegas, supermercados, mercadinhos e lojas de conveniências.




ASSISTA O VÍDEO DE DEFESA DO SETOR FARMACÊUTICO





A SRA. PERPÉTUA ALMEIDA (PCdoB - AC. Como Líder. Sem revisão da oradora.) - 
Muito obrigada, Sr. Presidente.

Sras. e Srs. Deputados, é muito importante que os colegas Parlamentares que estão em casa acompanhem agora esta decisão da Câmara dos Deputados, porque não podemos tratar um assunto tão sério, que diz respeito à saúde pública, à saúde das brasileiras e dos brasileiros, sem um debate aprofundado.

É muito grave o que está acontecendo aqui e agora. Se quero comprar carne, vou ao açougue lá no supermercado. Se quero comprar arroz, feijão, vou ao supermercado. Mas se quero comprar um medicamento, com receita ou sem receita, vou à farmácia. Se for um remédio que não precisa de receita, encontro na farmácia um profissional treinado, um profissional formado, uma farmacêutica para me orientar e dizer se deve ser aquele ou outro medicamento. Agora, se eu comprar o medicamento no supermercado, quem vai me orientar? É o açougueiro? É o vendedor?


Eu falei sobre isso agora há pouco, até de certa forma para desmoralizar esse processo. E perguntei: a Neosaldina vai ficar em qual prateleira do supermercado? Do lado da cachaça ou do lado da vodca? E do lado do açúcar, vai ter lá o remédio para diabetes? O remédio do coração vai estar no açougue junto com a carne para o cara já tomar e não passar mal quando vir o preço da carne? É isso, meus amigos! É muito preocupante a decisão que a Câmara quer tomar hoje, especialmente quando vejo muitos partidos se posicionando a favor disso. Não dá para brincar com a vida dos brasileiros.


E quero mostrar para V.Exas. que o Conselho Federal de Farmácia fez um extraordinário material. Seria importante se essa pequena cartilha chegasse aos lares de todos e todas as brasileiras. Seria importante que, antes de votar, cada Deputado ou cada Deputada pudesse ter acesso a esse material.

Coloca ali o Conselho quatro motivos para rejeitar a venda de medicamentos nas prateleiras dos supermercados. Um deles é que é uma economia burra. Sim, burra porque o baixo preço para o cidadão significa uso indiscriminado do remédio e mais doentes na conta do SUS. Aqui também coloca o outro item.

Sim, há duas pesquisas aqui que dizem o seguinte: Nos Estados Unidos, a partir da venda em supermercados, uma morte por dia por medicamento mal utilizado. E, no Reino Unido, analgésicos e anti-inflamatórios, entre outros, são a maior causa de intoxicação em crianças. É claro que se está na prateleira do supermercado, está de fácil acesso. Remédios causam intoxicação em milhares de brasileiros. O que acontece com remédios mal utilizados? Nove mil vítimas em 4 anos. Seis pessoas vítimas por dia. Isso é o que acontece quando você toma o medicamento sem a correta orientação.

Os supermercados já vendem medicamentos da forma correta, porque dentro da maioria dos supermercados do Brasil há uma farmácia. Esta é a forma correta. Agora, colocar o medicamento na prateleira do supermercado é irresponsabilidade com a saúde das brasileiras e com a saúde dos brasileiros, principalmente dos mais simples, que não têm acesso com facilidade a um médico.

Ora, Sr. Presidente, colegas Parlamentares, só há um motivo para o Presidente Bolsonaro querer aprovar esse projeto hoje para vender remédios no supermercado. A carestia está tão grande, o brasileiro chega lá e vê que o arroz está caro, a carne está cara, o feijão está caro - e sabemos que a culpa é do Bolsonaro -, o cara passa mal e já procura logo ali um remédio para dor de cabeça ou um remédio para o coração. Só há uma explicação para isso.

Colegas Parlamentares, digam-me qual é a urgência de votar esse projeto aqui. Por que não esperamos acabar o processo eleitoral, acabar a campanha eleitoral, reunir todos os Parlamentares no plenário desta Casa, fazer o debate sadio, fazer o debate informativo e votarmos? Se alguém quiser continuar votando errado, que vote, mas pelo menos que tenhamos oportunidade para discutir o assunto.

O profissional farmacêutico leva anos no banco de uma universidade para se formar. O dono da farmácia paga caro, sim, para ter o farmacêutico lá dentro da farmácia, porque votamos essa lei aqui, obrigamos que em cada farmácia houvesse um farmacêutico. Agora, estamos aqui querendo votar um projeto que permite vender o remédio na mesma prateleira da carne, na mesma prateleira do açúcar? Quanta irresponsabilidade para com a saúde dos brasileiros e das brasileiras!

Muito obrigada.


Edmilson Alves é especialista em Vigilância Sanitária e Gestor em Assistência Farmacêutica. edmilson@edmilsonacre.com

Michelle Melo faz defesa do piso nacional do farmacêutico

Bate papo com a candidata a deputada estadual pelo o PDT, a vereadora campeã de votos em Rio Branco (AC), Michelle Melo, em 24 de agosto. 
 Ela defende o piso salarial dos farmacêuticos, o reconhecimento de drogarias e farmácias como estabelecimentos de saúde, e todos os seus funcionários com profissinais de saúde e com o devido direito à vacinação prioritária, conforme preconiza o Governo Federal, via SUS. 

 Michelle também falou da defesa que fez da prorrogação dos contratos do farmacêuticos junto à prefeitura e explicou o porquê de fazer forte oposição ao prefeito Bocalom (PP). Discute também o como evoluir para reduzir a burocracia na prescrição médica, e, a consequente dispensação farmacêutica, bem como o uso das receitas eletrônicas, mas também lembra do atraso tecnológico e da ausência de ferramentas que melhoram a saúde pública. 

O recolhimento junto à população dos medicamentos vencidos e à destinação ambientalmente corretas, já prevista por lei, mas não praticada. A vereadora também expôs sua opinião sobre o ensino remoto no âmbito dos cursos da saúde. Edmilson Alves é especialista em Vigilância Sanitária e Gestor em Assistência Farmacêutica. edmilson@edmilsonacre.com

segunda-feira, 29 de agosto de 2022

CELERIDADE E PADRONIZAÇÃO DO LICENCIAMENTO SANITÁRIO

Acre: deputado estadual Pedro Luis Longo  encontrou na tarde desta segunda-feira, dia 29 de agosto,  empresários do ramo da saúde: farmacêuticos, médicos, dentistas e veterinários, e,  também,  os profissionais contadores  e os  auditores sanitários que cuidam tais estabelecimentos para discutir a finalização de projeto de lei que visa criar a padronização do licenciamento sanitário no Estado do Acre.

O deputado é autor de lei que estabelece prazo máximo de 30 dias para liberação do licenciamento sanitário e do estatuto acreano da liberdade econômica, ideias que visam desburocratizar investimentos e gerar emprego e renda.






Edmilson Alves é especialista em Vigilância Sanitária e Gestor em Assistência Farmacêutica. edmilson@edmilsonacre.com

quarta-feira, 24 de agosto de 2022

José Adriano defende a OCA do empresário, para desburocratizar os empreendimentos

Em bate papo com o jornalista Edmilson Alves,  do blog edmilsonacre.com,  na tarde desta quarta-feira 24,  o candidato a deputado federal pelo o Acre, José Adriano (PP) diz ser “o legítimo” representante daqueles que geram emprego e renda, e defende  a celeridade e desburocratização dos empreendimentos por meio da digitalização dos processos administrativos.  Ele é presidente licenciado do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC) e está no segundo  mandato.  A Fieac  é ligada ao sistema S, que compreende desde o Sebrae, que apoia as micros e pequenas empresas, até a Federação do Comércio (Fecomércio), dentre outros.


“Nós apresentamos uma proposta desafiadora para o prefeito Tião  Bocalom [da capital do Acre, Rio Branco]” para padronizar procedimentos, criando  um cheque list pelo o qual o empresário receba o alvará provisório, enquanto os órgãos fiscalizadores e administrativos fiquem reunidos como uma espécie de força tarefa, trabalhando em conjunto, para agilizar a liberação definitiva.


Para o candidato,  o maior desafio empresarial  é vencer o “medo dos agentes públicos" da atuação do Ministério Público, o que gera insegurança aos atos administrativos, pois mesmo não havendo, por lei, hierarquia entre normas e órgãos de licenciamentos, pois nem sempre há previsão legal para que a emissão de determinado documento seria obrigatório ter um licenciamento anterior. Na verdade, os órgãos públicos  podem trabalhar de forma simultânea,   em sintonia e até parceria, para evitar atrasos e eliminar os  prolongados prazos de aprovação dos diversos documentos, dos ambientais, passando pelo os de segurança e, até mesmo, aos licenciamentos sanitários.


Adriano se posiciona contra a proposta de  liberar medicamentos em supermercados,  e diz ser grave a ideia  que propõe liberar o farmacêutico remoto para farmácias e drogarias, pois tal profissional seria imprescindível na dispensação correta e da prestação, com segurança,  do uso do medicamento para o consumidor. 

 

Assista na íntegra:


 



Edmilson Alves é especialista em Vigilância Sanitária e Gestor em Assistência Farmacêutica. edmilson@edmilsonacre.com